20 de Junho de 2020 às 15:11 FONTE: Equipe

Confira o que rolou no Programa Gás total Sábado (06/06)

Image

Foto: Reprodução

 

Cassandra no sábado (06/06), falou que 1ª Parada Virtual do Orgulho LGBT será transmitida no dia 14 de junho, Assembleia Legislativa do Rio cria ‘zap’ para denuncias de discriminações e Miss Biá, drag queen pioneira no Brasil, morre vítima de Covid-19 em SP aos 80 anos.

Confere o que mais rolou no programa:

1ª Parada Virtual do Orgulho LGBT será transmitida no dia 14 de junho

1ª Parada Virtual do Orgulho LGBT vai acontecer no próximo dia 14 de junho, mesma data em que seria realizado o tradicional evento na Avenida Paulista, cancelado por conta da pandemia do novo coronavírus.

Rafael Dias, cofundador e CEO da Dia Estúdio, empresa especialista em lives, idealizou a #ParadaSPAoVivo, em parceria com a ONG APOGLBT e com o apoio do YouTube Brasil. O evento terá duração de oito horas, das 14h às 22h, transmitido simultaneamente em dez canais do Youtube e conta com a presença de criadores de conteúdo e artistas como convidados especiais.

Edu e Fih, do canal Diva Depressão, comandam a apresentação enquanto os outros hosts e convidados participam virtualmente. De suas casas, artistas performam ao vivo exclusivamente para a audiência da Parada SP Ao Vivo. A transmissão será feita por meio dos canais: Diva Depressão, Lorelay Fox, Nátaly Neri, Mandy Candy, Jean Luca, Louie Ponto, Canal das Bee, Spartakus, Dia Estúdio e Parada SP.

Para o dia 29 de novembro, está programada a parada na Avenida Paulista, com o tema “democracia”. No ano passado, segundo a organização, o evento reuniu cerca de 3 milhões de pessoas e contou com 19 trios elétricos.

Fonte: VejaSP

Publicidade

Banner 300x250

 

Assembleia Legislativa do Rio cria ‘zap’ para denuncias de discriminações

A Comissão de Combate às Discriminações e à Intolerância da Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro) abriu mais um canal de comunicação direta “com quem vem sendo silenciado pela dor”, para receber denúncias de discriminações e preconceitos.

“É fundamental que o opressor saiba que não vai passar em branco! É essencial que a vítima busque ajuda e seja acolhida!” escreveu a Comissão. As denúncias podem ser feitas através do número de WhatsApp (21) 99901-1793 e também pelo e-mail combatediscriminacao@gmail.com.

Fonte: Pheeno

Publicidade

300x250 Genérico

 

Miss Biá, drag queen pioneira no Brasil, morre vítima de Covid-19 em SP aos 80 anos

Eduardo Albarella, mais conhecido como Miss Biá, uma das drags queens pioneiras no Brasil, com 60 anos de carreira, morreu nesta quarta-feira (3) em São Paulo vítima do novo coronavírus. A informação foi confirmada por sua sobrinha.

Segundo Adriana do Nascimento, Albarella estava internado há cerca de dez dias por causa da Covid-19 e faleceu nesta manhã, aos 80 anos.

A notícia foi recebida com tristeza entre artistas LGBT+.

"Temos um ditado entre nós de que 'quando uma de nós morre, nós morremos um pouco'. Com a perda da Miss Biá ouso dizer que só hoje perdemos muito!". disse a drag queen Ikaro Kadoshi ao G1.

"Ela era o símbolo da luta, resistência e amor pela arte do transformismo/drag queen. Venceu inúmeras barreiras. Desafiou a ditadura, o tempo, as gerações. Ela era assim, destemida. Uma força da natureza cheia de luz. Um farol em mar revolto. Ficamos, todos nós, sem direção."

Em 2018, Biá se apresentou na festa drag Priscilla (veja abaixo), em São Paulo, conhecida pelo público jovem, na mesma noite de uma estrela do reality show norte-americano "Ru Paul's Drag Race". A apresentadora do evento, a também veterana Silvetty Montilla, disse: "As pessoas pensam que a modernidade não pode estar junto com o antigo. Quando se tem talento, tudo vive junto."

Biá ainda estava na ativa: era residente de uma boate, em São Paulo, onde apresentava a programação da noite, todos os sábados, às 3h. "Ela nunca faltou", lembra José Roberto Pinheiro, diretor artístico da Danger.

"Foi a primeira drag queen que eu vi na vida, na extinta boate Nostro Mundo, fazendo um cover da Hebe, com o sofá onde recebia famosos. E, 25 anos depois, eu comecei a dirigi-la e dava a mão para ela descer as escadas do palco", orgulha-se Pinheiro.

Alexia Twister, atriz e drag queen, descreveu a artista como sendo alegre e leve: "Biá era muito feliz, alto astral, sempre sorrindo".

"Sempre que eu a via, me sentava do lado e puxava conversa. Biá tinha histórias incríveis. Ela sempre dizia 'antigamente, não era dublagem, não. (Drag queen) tinha que saber cantar e dançar", recorda Alexia.

A Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, que organiza o evento, emitiu uma nota de pesar. "Miss Biá, persona de Eduardo Albarella de 80 anos, começou na arte do transformismo no início da década de 60 e não parou mais. Arte, irreverência e bom humor. Estamos em luto. A saudade estará sempre presente", diz o texto.

Muitos artistas usaram as redes sociais para fazer homenagens a Miss Biá.

Fonte: ACapa

Publicidade

Banner 300x250

 

Ouça agora o programa inteirinho!

Cassandra apresenta todos os Sábados às 15hs o Programa Gás Total na Radio Tributus, com muita alegria e energia positiva, informação e cobrança do poder publico pra quem mais precisa durante 3 horas de programa.

Não perca também a reapresentação aos domingos às 15hs.

 

 

Image