27 de outubro de 2018 às 15:38

Roger Waters está avisado: se fizer campanha esta noite, pode ser preso


Foto: Reprodução

A cidade de Curitiba, onde Roger Waters se apresenta na noite deste sábado, pode até ser sugestiva, por abrigar o ex-presidente Lula, preso. Mas as inserções políticas que recentemente chamaram atenção nos seus shows de São Paulo e Rio estão em risco. O cantor inglês, crítico ferrenho do candidato Jair Bolsonaro (PSL), recebeu pessoalmente a orientação para não fazer manifestações eleitorais desta vez, sob pena de tornar-se mais um prisioneiro famoso da capital.

A recomendação que chegou a seus ouvidos por meio da produtora T4f tem a ver com a Lei 9.504, na qual o TSE se baseia: as manifestações públicas com amplificador de som devem se encerrar às 22h deste sábado, véspera das eleições. O show está programado para começar às 21h30, no Couto Pereira.

Na apresentação de Roger Waters em São Paulo, no último dia 9, no fim da música "Eclipse", o telão mostrou a expressão #EleNão, usada em redes sociais para criticar Bolsonaro. No show de Waters no Rio, no último dia 24, foi exibida no telão uma lista de políticos de vários países do mundo apontados por ele como fascistas. A frase "Ponto de vista político censurado" cobriu o nome do candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro. Na apresentação, Roger Waters também homenageou Marielle Franco, assassinada em março. O cantor levou ao palco a família da vereadora: a filha, Luyara Santos, a irmã, Anielle Franco, e a viúva, Mônica Benício.

Fonte: Uol

comentários

Estúdio Ao Vivo