28 de novembro de 2018 às 18:28

Novembro Azul não é só câncer de próstata


Foto: Reprodução

A Abbott em parceria com a Men´s Health Network, elaboraram uma pesquisa que constatou que a maioria dos homens tem uma atitude displicente com sua saúde. Na verdade, 61% dizem que são "semi-proativos sobre a saúde", pois procuram ajuda quando necessário, mas não fazem consultas médicas preventivas, ou check-ups anuais. Outros dados apontam que quase metade (46%) dos homens entrevistados disse que visitas ao médico os deixam nervosos, ansiosos ou com medo e 50% admitiram que seu maior medo antes de ir ao médico é descobrir que têm um problema sério de saúde.

O Novembro Azul, é um movimento internacional para conscientizar a respeito da prevenção do Câncer de Próstata. Esta iniciativa visa sensibilizar os homens para importância de exames de rotina para um diagnóstico precoce.  Embora, a grande preocupação seja o câncer, existem doenças que homens acima dos 50 anos são acometidos e nem sabem. Doenças que prejudicam o dia a dia do trabalho, em casa, vida social entre outros e que com exames de rotina como, PSA, toque retal e Ultrassom, seria facilmente diagnosticado.

A Hiperplasia Prostática Benigna (HPB), é um desses casos, uma das doenças mais comuns dos homens, que é a facilmente diagnosticada e tratada, por isso, vale ressaltar que a prevenção é o caminho.

Com o aumento da expectativa de vida e do envelhecimento da população, a Hiperplasia Prostática Benigna deve ter sua incidência e prevalência bastante aumentada. Dados mais recentes sugerem que ela ocorra em um quarto dos homens com 50 anos de idade, em um terço com 60 anos e em metade com 80 anos ou mais “Essa é uma doença que acomete 50% dos homens”, afirma o Prof.  Dr. Francisco Cesar Carnevale - médico do CRIEP - Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa

Uma grande alternativa para o tratamento da HPB, crescimento da próstata, é a técnica da embolização, que por ser minimamente invasiva e não mexe com a função sexual ou causa perda da ejaculação. Ou seja, o paciente não fica impotente e nem corre o risco de ter continência urinária. “Com esse  procedimento o paciente é tratado de uma forma ambulatorial (day hosp), sem necessidade de internação, ” assegura o Dr. Carnevale

É extremamente importante que todos os homens façam o acompanhamento anualmente com o seu urologista a partir dos 50 anos. O Urologista é o especialista que conhece e acompanha todos os problemas da próstata dos pacientes, assim como outras doenças relacionadas ao aparelho urinário. “Os pacientes devem realizar regularmente exames, como por exemplo o Prostate-Specific Antigens (PSA), o toque retal e fazer a ultrassonografia para obter informações mais específicas sobre possíveis doenças da próstata, ” finaliza o médico.

Vale sempre ressaltar que cabe sempre ao médico e o paciente avaliar qual seria a melhor terapia a ser empregada em determinadas doenças da próstata. Em alguns casos, inclusive com a confirmação por meio de biópsia, a HPB é assintomática, mas pode interferir na hora de urinar:

  • Dificuldade de urinar;
  • Jato urinário fraco;
  • Gotejamento no final
  • Micção em dois tempos
  • Sensação de que a bexiga ainda precisa ser esvaziada;
  • Idas frequentes ao banheiro durante a noite;
  • Vontade incontrolável de urinar;

Em casos mais avançados, a HBP também pode provocar:

  • Sangue na urina;
  • Infecção urinária de repetição
  • Cálculos na bexiga;
  • Retenção urinária;
  • Insuficiência renal

Fonte: Prof.  Dr. Francisco Cesar Carnevale - médico do CRIEP - Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa – autoridade médica referência nacional e internacional em Radiologia Intervencionista, Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular. Sua principal linha de pesquisa está focada no tratamento de pacientes com sintomas do trato urinário inferior associados ao crescimento da próstata pela Hiperplasia Prostática Benigna (HPB). Pioneiro a publicar na literatura científica mundial, a técnica de Embolização das Artérias da Próstata (EAP) dentro do Hospital das Clínicas da FMUSP, sob a supervisão dos professores Miguel Srougi e Giovanni Guido Cerri.  É diretor de Radiologia Vascular Intervencionista do Instituto de Radiologia (InRad-HCFMUSP), do Instituto do Coração (InCor-HCFMUSP) e do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo (SP). É responsável pelas disciplinas de Graduação e Pós-graduação na área de Radiologia Intervencionista da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

Fonte: A Crítica

comentários

Estúdio Ao Vivo