06 de abril de 2019 às 17:45

Moro empossa conselheiro que defendeu que homossexualidade é desvio de conduta


Foto: Reprodução

Sergio Moro deu posse a um conselheiro no Ministério da Justiça que afirmou, no passado, que a homossexualidade é um “desvio de conduta”, e que, para uma mulher, “é o máximo” estar “dando para um policial". Wilson Salles Damázio foi empossado na semana passada suplente no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária do ministério.

É o mesmo cargo para o qual a cientista política Ilona Szabó havia sido convidada, antes de Moro recuar por pressão de Jair Bolsonaro e desistir da nomeação.

Depois de ter tomado posse, Damázio já foi designado para inspecionar, pelo conselho, o sistema penitenciário nacional em Pernambuco, Alagoas e Acre.

Ele deu essas declarações em entrevista ao Jornal do Commercio , em 2013, sobre a exploração sexual de jovens em Pernambuco. Era secretário de Defesa Social do estado. Foi demitido dias após a entrevista.

"Desvio de conduta, a gente tem em todo lugar. Tem na casa da gente, tem um irmão que é homossexual, tem outro que é ladrão, entendeu? Lógico que a homossexualidade não quer dizer bandidagem, mas foge ao padrão de comportamento da família brasileira tradicional", afirmou.

Em outro trecho, disse Damázio:

"O policial exerce um fascínio no dito sexo frágil. Eu não sei por que é que mulher gosta tanto de farda. Todo policial militar mais antigo tem duas famílias, tem uma amante, duas. É um negócio. Eu sou policial federal, feio pra c... A gente ia pra Floresta (Sertão) , para esses lugares. Quando chegávamos lá, colocávamos o colete, as meninas ficavam tudo sassaricadas. Às vezes tinham namorado, às vezes eram mulheres casadas. Pra ela, é o máximo estar dando pra um policial. Dentro da viatura, então, o fetiche vai lá em cima, é coisa de doido."

Fonte: Guilherme Amado da Revista Época

comentários

Estúdio Ao Vivo