26 de outubro de 2018 às 18:33

A dois dias da Eleição, candidato afronta justiça e volta a falar de 'Kit Gay'


Foto: Reprodução

O PT entrou nesta sexta-feira (27) com representação no TSE contra mais um ato criminoso de Bolsonaro, que a dois dias da eleição usou as redes sociais para mais uma vez mentir sobre o suposto "Kit Gay" e desrespeitar a decisão já proferida pelo Tribunal Superior Eleitoral, que suspendeu neste mês links de sites e redes sociais com a expressão "kit gay", usada pelo deputado federal para atacar Fernando Haddad (PT). O núcleo jurídico do Partido dos Trabalhadores solicitou que o Ministério Público investigue 70 pessoas.

De acordo com a petição do Partido dos Trabalhadores, “o prejuízo causado para o candidato Fernando Haddad é imensurável, não só no âmbito eleitoral, mas também à sua honra pessoal”. “Verifica-se que os representados proferiram grave e inconsequente ofensa, violando a honra objetiva e subjetiva dos representantes motivo pelo qual pleiteasse a imediata remoção dos conteúdos impugnados”, diz o documento.

Neste mês, o ministro Carlos Horbach, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), determinou a remoção de vídeos no Facebook e Youtube nos quais Jair Bolsonaro (PSL) aponta um inexistente "kit gay" que teria sido distribuído em escolas do país pelo MEC, por determinação de Haddad quando foi ministro da Educação. 

De acordo com o ministro, os vídeos geram "desinformação no período eleitoral, com prejuízo ao debate político". "É igualmente notório o fato de que o projeto 'Escola sem Homofobia' não chegou a ser executado pelo Ministério da Educação, do que se conclui que não ensejou, de fato, a distribuição do material didático a ele relacionado", dizia a decisão.

Fonte: Brasil 247

comentários

Estúdio Ao Vivo